Ministro das Infraestruturas e Habitação homologou acordo entre Câmara da Maia e IHRU

Tânia Ramos
Acordo permitirá disponibilizar acesso a habitação condigna a 757 agregados familiares da Maia

O acordo escrito foi homologado numa cerimónia on line que, além do ministro Pedro Nuno Santos e do presidente da Câmara da Maia, António Silva Tiago, contou com a presença da secretária de estado da Habitação, Marina Gonçalves, do secretário de estado da Descentralização e da Administração Local, da presidente do Conselho Diretivo do IHRU – Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana, Isabel Dias, e da vereadora da Habitação, Desenvolvimento Social e Bem Estar, Ana Vieira de Carvalho.

O entendimento vai permitir ao município da Maia investir, no prazo de 5 anos 62,77 milhões de euros em habitação social na Maia.

Na sua intervenção o ministro Pedro Nuno Santos, sublinhou a aposta do Governo nas políticas de nova geração para o acesso à habitação e anunciou que no âmbito do Plano de Resistência e Resiliência que está em vias de aprovação em Bruxelas, os primeiros 26 mil fogos que sejam construídos ao abrigo do programa 1º Direito, receberão financiamento estatal de 100% a fundo perdido. O ministro desafiou, por isso, a Maia a concretizar o seu programa tão rapidamente quanto possível, pois isso representaria uma poupança de 35 milhões de euros para o município, montante que representa a comparticipação da autarquia, entre fundos próprios e empréstimos bonificados, para a concretização do acordo.

Silva Tiago, na sua intervenção, elogiou o governo por ter voltado a colocar o acesso a Habitação nas prioridades do país, o que não acontecia desde os anos 90 do século passado. O presidente da Câmara enfatizou que só a gestão rigorosa das contas municipais permitiu à Maia estar agora à altura de assumir responsabilidades desta dimensão e responder aos anseios da população.

Também pode interessar-lhe